Sobre a ABCCC

Em 1931, alguns fazendeiros e estancieiros do Rio Grande do Sul resolveram dar início a construção de uma entidade dedicada exclusivamente a raça Crioula. A ideia foi sendo estudada até tornar-se uma realidade, em 28 de fevereiro de 1932, na Associação Rural da cidade de Bagé - município gaúcho que sediou a primeira matriz da ABCCC. Pouco tempo depois de sua fundação, a unidade mudou-se para Pelotas, no Rio Grande do Sul, onde já situava-se a Associação do Registro Genealógico Sul Rio-Grandense.

 

Fundada inicialmente como ACCC - Associação de Criadores de Cavalos Crioulos - as principais atividades da instituição voltavam-se à classificação de animais inscritos para inspeção. Os cavalos considerados Crioulos passavam a fazer parte do stud book da raça - um banco reservado ao cadastro de todas as informações de registro dos animais - dando assim início a padronização e perpetuação dos Cavalos Crioulos brasileiros. No ano de 1935, a ABCCC começou a tomar corpo. Em janeiro, o stud book crioulo foi cedido pela Associação do Registro Genealógico Sul Rio-Grandense para a entidade, tornando-a mais independente.  

 

A década de 1970 foi um dos momentos mais importantes da história da ABCCC. Até este período, as exposições de Cavalos Crioulos proporcionaram, basicamente, competições morfológicas. Foi ao longo desses anos que as provas funcionais começaram a cair no gosto dos criadores e do público em geral, comprovando que, além de belo, o Crioulo também apresentava uma funcionalidade singular.

 

A primeira prova para éguas crioulas registradas ocorreu em abril de 1971. A partir da experiência bem sucedida, outras começaram a aparecer, como a competição de Rédeas e de Resistência. A cada ano que passava, surgiam novos adeptos e apreciadores dessas modalidades que foram sendo aprimoradas ao longo do período, culminando, no ano de 1982, com a criação da prova mais consagrada e cobiçada da ABCCC: o Freio de Ouro. Começava nesse ano uma das histórias de maior sucesso em qualquer associação de animais do país, que viria a contribuir para a aceleração do crescimento e expansão da raça em todo território nacional. Transformada na maior ferramenta de seleção da raça, o Freio de Ouro completa, em 2018, 37 anos de existência.

 

Atualmente, a Associação conta com uma lista de 13 modalidades oficiais, regulamentadas para os cavalos Crioulos: Campereada, Crioulaço, Enduro, Freio Jovem, Freio do Proprietário, Freio de Ouro, Marcha de Resistência, Morfologia, Movimiento a La Rienda, Paleteada, Doma de Ouro, Rédeas e Ranch Sorting.

 

 







Organização:

Parceiros:


Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos - Todos os direitos reservados - 2018